quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Vírgulas

Então me mostra em qual buraco que cai.

Me avisa, me chama e me tira dali.


O tempo está correndo, e eu ainda espero a resposta, porque não posso acreditar que só exista essa.


Quero dizer muito mais. Quero dizer que fui dar o xeque-mate. E não consegui na hora h. Fui dar um ponto final nessa história toda e só consegui colocar uma vírgula. Uma não, milhares.


E o role que era finito, virou infinito.


Que a vida chegou para ficar do jeito que ela sempre foi: simples.


E é na simplicidade que vou dançar de branco no meio do mar, vou convidar as arraias para dançar comigo, vou me banhar com a lua cheia e vou cantar para Iemanjá.

4 comentários:

Anônimo disse...

vixe, já era Mariana.

Mari disse...

será???

Rolando disse...

Oi. Tudo blz? Gostei daqui. Muito legal. Apareça por lá. Abraços.

Mari disse...

eba, valeu, vou p/ lá Ronaldo!! beijao