segunda-feira, 19 de abril de 2010

Essa não é pra você!

Lembra daquilo que a gente jurou que nunca mais se lembraria?
Pois eu lembrei.
Você invadiu meu sonho, me levou para onde jamais poderíamos estar.
Acordei.
Tentei esquecer, mas aquilo ficou piscando na minha mente.

Pra que lembrar, se lembrar dói?
Porque as palavras doem e o silêncio também.

Eu sei. Foi melhor assim, não foi?

Aquele dia que te deixei na sala falando sozinho, você sabia e eu também.

E agora vem você assim numa boa??

Eu tô com saudade, sabia?

Saudade das nossas cervejas tomadas em horas erradas, porém nos dias certos.
Saudade de seus abraços e de nossos roles.
Saudade das nossas aulas teóricas e práticas, que quase não foram praticadas.

E de saudade vou vivendo, mesmo sabendo que dela não posso viver.

8 comentários:

Thais Abrahão disse...

F-A-L-T-A-D-E-A-R!!!!!

jonaya disse...

saudade é tipo frente fria em dia de saia e sandália; não tem jeito, vc vai passar frio.

Thais Abrahão disse...

Voltei pra ler esse texto de novo, Mari. Eu adorei!

Acabou que além de l~e-lo novamente, ainda me deparei com essa deliciosa definição de saudade. Posso adotar?

Zari disse...

Thais, pode adotar, claro!

Pedro disse...

E ai louca...gostei do texto...to com saudades de você IDIOTA!!! Beijoes

Kel disse...

Sim que pode, florzinha, mas nao por toda a vida. De vez em quando a gente tem que se permitir lembrar, volver a sentir aquelas sensaçoes de antes. Mas sabendo que tudo tem um prazo de validade. Certeza que logo logo vc vai mudar esse verbo. Tenho novidades no blog! Beijos!

Rafiuskis disse...

No aguardo da MINHA breja!huh
bjksssss

Zari disse...

já mofei de tanto esperar, rafa!