domingo, 31 de agosto de 2008

Asian Dub Foundation

Desde quando eu vi aquele DVD do Asian Dub Foundation do Jonny eu tinha a esperança de um dia ver aquilo ao vivo, ao ar livre, com os castelos atrás do palco e tinha que ser na Europa. Ontem eu não vi castelos, mas vi o mar...
Imagine um lugar chamado Parc de Forum, onde depois de andar muito você chega numa escadaria (arquibancada) e antes de descé-la você repara que existem dois palcos lá embaixo e um deles dá as costas para o mar. No lado direito do palco, além das barraquinhas de bebida e comida, há um caminho de árvores que te leva para uma apresentação alternativa de batuques, circo e malabares. Cheguei um pouco cedo no festival, mais ou menos duas bandas antes de Asian Dub Foundation. No palco estava Tiken Jah Fakoly um cantor de reggae africano. Nada que você não possa morrer antes de escutar, mas os franceses Le Peuple de l'Herbe se eu fosse você escutaria. Uma mistura de Z`Africa Brasil & Instituto com Asian Dub Foundation. Um eletrônico misturado com drum & bass e com dub. O som só ficou pesado quando um dos vocais falou: Bush, fuck you!! Aí sim as luzes do palco estavam todas vermelhas e o som excelente... deviam ter xingando o Bush antes. Ah, destaque para o trompetista que trazia ainda uma levada de jazz com funk. Foi ai que avisaram que Asian Dub Foundation não tocaria mais às 22h30 e sim à 01h15. Confesso que fiquei completamente irritada, talvez porque eu já previa que as duas próximas bandas me irritariam profundamente. Canteca de Macao e Amparanoia. As duas bandas para mim são quase iguais. O que difere é que Canteca de Macao tem uma vocalista alá Pitty, e que o som além de paracer mexicano como o Amparanoia, tem uma influência de flamenco interessante. Enquanto Amparanoia se apresentava eu estava sentada na arquibancada de boca aberta para o tamanho do público do grupo. Lembrei do show deles em São Paulo no Via Funchal, meia duzia de pessoas. Então levantei e me posicionei a 7 metros do palco do Asian Dub Foundation. Eles entram com Rise To The Challenge. Eis o choque. Cadê o Indio no palco? Cresceu o cabelo? Eiiiii quem é esse ai MC tão velho? Apresentam o novo CD. A música? Burning Fence. Sim Xarlis, também achei que veio para colar e acho que o vocal original voltou, porque assiti o clipe e eram eles dois que estavam ontem no palco. O público parecia que tinha ido ver mesmo Amparanoia, quase ninguém pulava. Asian gritava: Vamos Barcelonaaaaaaaaaaa, vcs estão ai? Eles só pularam muito quando tocaram Flyover e Oil. Fiquei impressionada com a iluminação do show. Confesso que estava em outra dimensão, um pouco já fora de mim, tentando achar uma explicação para o que eu estava vendo, ouvindo e sentindo sei lá como a brisa do mar. O show foi rápido. Eles sairam do nada do palco. Me assusto:

- mas já? - pergunto

Ninguém bate o pé, ninguém grita, ninguém chama o Asian de volta. Mas o italiano do meu lado tem um surto quando percebe que não tem ninguém no palco.

- Ma como???? fazendo aqueles gestos com a mão

- Pra onde foram? Foram embora?

- Ma Va Fanculoooo Festival de merda.

Eu tendo ataques de risos e percebo que Asian Dub escutou nosso amigo italiano. Voltaram apenas os musicos para um som instrumental e quando os MCs entraram no palco fecharam o show com Fortress Europe.

Arrependimento de não ter levado minha máquina, pois no ingresso dizia que era proibida a entrada de máquinas e filmadoras. O mundo estava com máquinas lá dentro. A foto foi tirada pelo meu celular.
Saindo do Parc vejo prédios grandes que me lembram São Paulo, um saudosismo... ainda mais acompanhada por aquela voz no celular.

5 comentários:

Daniel Boa Nova disse...

ô inveja.....

Anônimo disse...

com essa música e esse cenário, é o paradoxo do antigo com o moderno. Só um texto impecável assim pode nos dar uma idéia - vaga - do que é essa experiência. bjs, MarKito

João Prado disse...

charge!!! Quem era o MC? o Deedar voltou??

beijo

Luís Pereira disse...

Mari, depois de assistir aquele DVD também fiquei com o sonho de ver ao vivo o Asian Dub. O seu se realizou primeiro. Insane Motherfuckingirl!!!

Daniel Spot disse...

Acho que você saiu brigada com o jornalismo e vai voltar apaixonada por ele... que texto gostoso de ler...
bj Spot