domingo, 24 de agosto de 2008


Ontem caminhando embaixo de um chuvisco comecei a pensar que só faltam 3 meses para tudo isso acabar. Imaginei eu me despedindo de cada lugar de Barcelona aos prantos. Tudo porque nenhuma cidade me acolheu tão bem como a capital da Cataluña. Uma cidade que a cada dia que passa eu me apaixono perdidamente sem medo de me apaixonar, me entrego e me jogo de cabeça. A cada rua, a cada praça a minha vontade é só uma: abrir meu laptop e escrever, escrever. A minha inspiração borbulha a cada minuto. Uma vontade doida de registrar tudo, de contar tudo que vejo, que sinto, que penso. Hoje entendo minha mãe quando dizia que os escritores brasileiros vinham até a Europa para escrever seus livros. Eu vim, mas meu livro está dormindo neste momento, que durma, ainda não chegou o seu momento. Momento apenas de blog, de evolução, de entendimento, de compreensão. Se alguém me perguntasse se ainda sou aquela menina Mari que saiu de São Paulo no dia 12 de maio deste ano, sem pensar muito eu responderia: Não. Eu sou outra em menos de 3 meses. Continuo ainda um pouco do contra, que fala palavrão, que se encapa com escudos para os desconhecidos e viciada em música. O que seria de mim sem meu ipod? Mas já sou bem menos stressada, não tenho tanta pressa, não discuto, sorrio quase 24 horas e agradeço por simplesmente estar vivendo. Isso me lembra muito uma pessoa: a minha irmã. As duas temporadas que passei com ela em Jericoacoara eu admirava muito isso nela, a certeza que ela vivia todos os dias. Em São Paulo eu tenho a sensação que apenas sobrevivo. Mas depois de três meses aqui tendo a certeza que cada dia eu vivo intensamente, percebi que isso vem da pessoa e não do lugar. E que isso é uma das coisas que quando voltar para São Paulo tentarei colocar em prática. Um jantar não é um simples jantar e uma cerveja na mesa com os amigos não é apenas uma cerveja com os amigos. Há muito mais coisas por trás disso, basta você querer enxergar...

4 comentários:

disse...

pois é, maricota!
fariamos tudo de novo e agora faremos tudo novo.

E tenho dito =D

Gostei do posta inspirado no msn hehe

bjos sempre com saudades,

daniel_picolo disse...

Nina
I guess you'd say
What can make me feel this way?
MY FRIENDS.

Simplesmente simples

beijos

Kele disse...

Senti tudo isso também. E ainda sinto. A únia diferença é que nao me sinto outra pessoa, apenas sinto que tirei tudo que estava me atrapalhando ser a pessoa que realmente sou.
Beijos!

Gi disse...

É IRMA...É ASSIM MESMO...MAS HEI QUE DESCORDAR QUE ISSO VEM DA PESSOA E NAO DO LUGAR...UM POUCO SIM, MAS NAO TOTALMENTE...COM CERTEZA SUA IRMA NÃO LEVAVA A VIDA ASSIM QUANDO MORAVA AQUI...ASSIM COMO MINHA VIDA ERA MUITO DIFERENTE NA BAHIA...SEMPRE QUE SAÍMOS DO NOSSO LUGAR DE ORIGEM, AINDA MAIS ASSIM, PRA PASSAR POUCO TEMPO MORANDO EM OUTRO LUGAR, COSTUMAMOS VIVER AS COISAS DE MANEIRAS DIFERENTES DO HABITUAL...POR ESTAR EM UM LUGAR DIFERENTE, COM PESSOAS DIFERENTES, A INTENSIDADE E TEMPO DO QUE VIVEMOS TAMBEM PARECE DIFERENTE....A NÃO SER QUE ESTEJAMOS INDO A TRABALHO, PARA TRABALHAR QUE NEM LOUCOS, ETC ETC...MAS AS VEZES NAO DEPENDE SO DA GENTE NAO...CLARO Q PODEMOS MELHORAR TUDO, NOSSO MODO DE VIDA, ENFIM...MAS NO RITMO COMO "TEMOS" Q VIVER AQUI É DIFICIL APROVEITAR TODOS OS MOMENTOS...PODEMOS AOS POUCOS TENTAR EQUILIBRA-LOS, PARA TER UMA VIDA MAIS INTENSA E "LENTA"...MAS DEPDENDENDO DE NOSSAS OCUPAÇÕES E RESPONSABILIDADES ISSO REALMENTE NÃO É TÃAAAAAO SIMPLES...DEPENDE UM POUCO DA GENTE E UM POUCO DO LUGAR, EU DIRIA...MAS ENFIM...É A MINHA PERCEPÇÃO PELAS MINHAS POUCAS EXPERIÊNCIAS DE VIDA...QUE LOGICAMENTE SÃO BEM DIFERENTES DAS SUAS...E MINHA CONDIÇÃO ATUAL, QUE TAMBÉM QUERO QUE MUDE! TE AMO IRMANITA! SAUDADE SEM FIM...